jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022
  • 2º Grau
  • Repercussão Geral
  • Decisão de mérito
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 636199 ES

Supremo Tribunal Federal
há 5 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

RE 636199 ES

Órgão Julgador

Tribunal Pleno

Partes

RECTE.(S) : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, RECDO.(A/S) : UNIÃO

Publicação

03/08/2017

Julgamento

27 de Abril de 2017

Relator

ROSA WEBER

Documentos anexos

Inteiro TeorSTF_RE_636199_a4c3c.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

EMENTA RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM REPERCUSSÃO GERAL. BENS DA UNIÃO. ILHAS COSTEIRAS COM SEDE DE MUNICÍPIOS. TERRENOS DE MARINHA E SEUS ACRESCIDOS. APROVEITAMENTO POR PARTICULARES. FORO, LAUDÊMIO E TAXA DE OCUPAÇÃO. EXIGIBILIDADE. ART. 20, IV, DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA. REDAÇÃO DADA PELA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 46/2005. INALTERADO O ART. 20, VII, DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA. INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA. PRIMADO DA ISONOMIA. TITULARIDADE DA UNIÃO.

1. Recurso extraordinário em que se pretende ver reconhecida a inexigibilidade do pagamento de foro, laudêmio e taxa de ocupação, tendo em vista o aproveitamento, por particulares, de terrenos de marinha e acrescidos localizados nas ilhas costeiras do Município de Vitória, Espírito Santo. Tema nº 676 de repercussão geral. Controvérsia sobre a situação dominial dos terrenos de marinha e seus acrescidos localizados em ilha costeira com sede de Município, à luz do art. 20, IV, da Constituição da Republica, após a promulgação da Emenda Constitucional nº 46/2005.
2. O domínio da União sobre as terras situadas nas ilhas litorâneas (art. 20, IV) foi reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento da ACO 317 (Relator Ministro Ilmar Galvão, Tribunal Pleno, DJ 20.11.1992), resguardada a legitimidade de eventual transferência da titularidade para os Estados, pelos meios regulares de direito (art. 26, II).
3. A alteração introduzida pela Emenda Constitucional nº 46/2005 criou, no ordenamento jurídico, exceção à regra geral então vigente sobre a propriedade das ilhas costeiras. Com a redação conferida ao art. 20, IV, da Constituição da Republica pelo constituinte derivado, deixaram de pertencer à União as ilhas costeiras em que sediados entes municipais, expressamente ressalvadas, no novo comando constitucional, as “áreas afetadas ao serviço público e a unidade ambiental federal e as referidas no art. 26, II”, que remanesceram no patrimônio federal.
4. Antes da Emenda Constitucional nº 46/2005, todos os imóveis situados nas ilhas costeiras que não pertencessem, por outro título, a Estado, Município ou particular, eram propriedade da União. Promulgada a aludida emenda, deixa de constituir título hábil a ensejar o domínio da União o simples fato de que situada determinada área em ilha costeira, se nela estiver sediado Município, não mais se presumindo a propriedade da União sobre tais terras, que passa a depender da existência de outro título que a legitime.
5. Controvérsia sobre a exegese de norma erigida pelo constituinte derivado. Interpretação sistemática do art. 20, IV e VII, da Constituição da Republica. Concepção hermenêutica da Constituição como um todo orgânico, conjunto coerente de normas, vinculantes e compatíveis entre si. A EC nº 46/2005 não alterou o regime patrimonial dos terrenos de marinha, tampouco dos potenciais de energia elétrica, dos recursos minerais, das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e de nenhum outro bem arrolados no art. 20 da CF.
6. Conformação do conteúdo e alcance da Emenda Constitucional nº 46/2005 ao primado da isonomia, princípio informador – a um só tempo – dos âmbitos de elaboração, interpretação e aplicação da lei. Ausente fator de discrímen a legitimar a geração de efeitos desuniformes, no tocante ao regramento dos terrenos de marinha e acrescidos, entre municípios insulares e continentais, incide sobre ambos, sem distinção, o art. 20, VII, da Constituição da Republica.
7. Tese firmada pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal: Ao equiparar o regime jurídico-patrimonial das ilhas costeiras em que sediados Municípios àquele incidente sobre a porção continental do território brasileiro, a Emenda Constitucional nº 46/2005 não interferiu na propriedade da União, nos moldes do art. 20, VII, da Constituição da Republica, sobre os terrenos de marinha e seus acrescidos situados em ilhas costeiras sede de Municípios, incólumes as relações jurídicas daí decorrentes.
8. Conclusão que não implica afirmar ilegítimos inconformismos quanto à aplicação do regramento infraconstitucional pertinente e aos procedimentos adotados pela Secretaria de Patrimônio da União, matérias que, todavia, não integram o objeto deste apelo extremo e cujo exame refoge à competência extraordinária desta Corte. Procedem da legislação infraconstitucional as dificuldades práticas decorrentes (i) da opção legislativa de adotar a linha do preamar médio de 1831 como ponto de referência para medição dos terrenos de marinha (Decreto-lei nº 9.760/1946), e (ii) das transformações, naturais ou artificiais, ocorridas ao longo dos anos, como os aterramentos e as alterações do relevo acumuladas. Não guardam relação com a alteração promovida pela EC nº 46/2005, e não foram por ela solucionadas.
9. Recurso extraordinário conhecido e não provido.

Decisão

O Tribunal, por maioria e nos termos do voto da Ministra Rosa Weber (Relatora), vencido o Ministro Marco Aurélio, apreciando o tema 676 da repercussão geral, negou provimento ao recurso e fixou a seguinte tese: “A Emenda Constitucional nº 46/2005 não interferiu na propriedade da União, nos moldes do art. 20, VII, da Constituição da Republica, sobre os terrenos de marinha e seus acrescidos situados em ilhas costeiras sede de Municípios”. Ausentes, neste julgamento, os Ministros Luiz Fux e Gilmar Mendes. Falaram: pela Advocacia-Geral da União, a Dra. Grace Maria Fernandes Mendonça, Advogada-Geral da União, e, pela Procuradoria-Geral da República, o Vice-Procurador-Geral da República, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada. Presidiu o julgamento a Ministra Cármen Lúcia. Plenário, 27.4.2017. Tema 676 - Situação dos terrenos de marinha localizados em ilhas costeiras com sede de município, após o advento da Emenda Constitucional 46/2005. Tese A Emenda Constitucional nº 46/2005 não interferiu na propriedade da União, nos moldes do art. 20, VII, da Constituição da Republica, sobre os terrenos de marinha e seus acrescidos situados em ilhas costeiras sede de Municípios.

Acórdão

O Tribunal, por maioria e nos termos do voto da Ministra Rosa Weber (Relatora), vencido o Ministro Marco Aurélio, apreciando o tema 676 da repercussão geral, negou provimento ao recurso e fixou a seguinte tese: “A Emenda Constitucional nº 46/2005 não interferiu na propriedade da União, nos moldes do art. 20, VII, da Constituição da Republica, sobre os terrenos de marinha e seus acrescidos situados em ilhas costeiras sede de Municípios”. Ausentes, neste julgamento, os Ministros Luiz Fux e Gilmar Mendes. Falaram: pela Advocacia-Geral da União, a Dra. Grace Maria Fernandes Mendonça, Advogada-Geral da União, e, pela Procuradoria-Geral da República, o Vice-Procurador-Geral da República, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada. Presidiu o julgamento a Ministra Cármen Lúcia. Plenário, 27.4.2017.

Referências Legislativas

  • LEG-IMP RES ANO-1823 RESOLUÇÃO DO IMPÉRIO
  • LEG-FED CF ANO-1891 ART- 00034 REDAÇÃO ORIGINÁRIA ART- 00034 NÚMERO-29 REDAÇÃO ORIGINÁRIA ART- 00064 CF-1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  • LEG-FED CF ANO-1967 ART- 00004 INC-00002 CF-1967 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  • LEG-FED CF ANO-1988 ART- 00018 ART- 00020 INC-00001 INC-00002 INC-00003 ART- 00020 INC-00004 REDAÇÃO ORIGINÁRIA ART- 00020 INC-00004 REDAÇÃO DADA PELA EMC-46/2005 ART- 00020 INC-00005 INC-00006 INC-00007 INC-00008 INC-00009 INC-00010 INC-00011 PAR-00002 ART- 00024 ART- 00026 INC-00002 ART- 00030 INC-00008 ART- 00102 PAR-00003 CF-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  • LEG-FED ADCT ANO-1988 ART-00049 PAR-00001 PAR-00002 PAR-00003 PAR-00004 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS
  • LEG-FED EMC-000003 ANO-1926 EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED EMC-000046 ANO-2005 EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED LEI-000038 ANO-1834 ART-00037 PAR-00001 PAR-00002 LEI ORDINÁRIA
  • LEG-FED LEI- 003071 ANO-1916 ART- 00678 CC-1916 CÓDIGO CIVIL
  • LEG-FED LEI- 009636 ANO-1998 ART-00007 LEI ORDINÁRIA
  • LEG-FED LEI- 010406 ANO-2002 ART-00098 ART-00099 INC-00001 INC-00002 INC-00003 ART-00100 ART-00101 ART-00102 ART-00103 ART- 02038 PAR-00002 CC-2002 CÓDIGO CIVIL
  • LEG-FED LEI- 013139 ANO-2015 LEI ORDINÁRIA
  • LEG-FED DEL-001318 ANO-1854 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-000710 ANO-1938 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-002490 ANO-1940 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 003365 ANO-1941 LDUP-1941 LEI DE DESAPROPRIAÇÃO POR UTILIDADE PÚBLICA
  • LEG-FED DEL-003437 ANO-1941 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 003438 ANO-1941 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-004120 ANO-1942 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 005666 ANO-1943 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-007278 ANO-1945 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-007937 ANO-1945 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 009760 ANO-1946 ART-00002 LET-A LET-B PAR- ÚNICO ART-00003 ART-00004 ART-00064 PAR-00001 PAR-00002 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 009760 ANO-1946 ART-00004 ART-00064 PAR-00001 PAR-00002 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 000147 ANO-1967 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 000178 ANO-1967 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 000200 ANO-1967 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 000271 ANO-1967 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-001310 ANO-1974 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 001537 ANO-1977 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 001561 ANO-1977 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 001876 ANO-1981 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL- 002398 ANO-1987 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEL-002422 ANO-1998 DECRETO-LEI
  • LEG-FED DEC- 024643 ANO-1934 CA-1934 CÓDIGO DE ÁGUAS
  • LEG-FED PEC-000575 ANO-1998 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED PEC-000039 ANO-2001 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED PEC-000015 ANO-2004 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED PEC-000053 ANO-2007 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED PEC-000016 ANO-2015 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED PEC-000030 ANO-2015 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL
  • LEG-FED EXM EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA EMC-46/2005

Observações

- Acórdão (s) citado (s): (DOMÍNIO, ILHA COSTEIRA, UNIÃO) ACO 317 (TP). (ALCANCE, EXPRESSÃO, ILHA OCEÂNICA) RE 101037 (TP). - Decisões monocráticas citadas: (INTERESSE, UNIÃO, AÇÃO DE USUCAPIÃO, DOMÍNIO, ILHA COSTEIRA) RE 341140, AI 414554, AI 454492, AI 505076, RE 514344, RE 341584, RE 596853, RE 460766, RE 460401, RE 568973, RE 629398, AI 826751. (TAXA DE OCUPAÇÃO, NATUREZA TRIBUTÁRIA) AC 1105 MC. - Acórdão (s) citado (s) - outros tribunais: TRF1: AC 0033328-91.2007.4.01.3400, TRF4: AC 5011831-56.2011.404.7200 e AC 2000.72.01.004674-0. - Veja arts. 51, 55 e 56 da Consolidação das Leis Civis. - Legislação estrangeira citada: Regimento da Fazenda do Reino de Portugal de 1516. Número de páginas: 68. Análise: 02/10/2017, JRS.
Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/769812311/recurso-extraordinario-re-636199-es

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 13 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL: AC 43909 RS 2003.71.00.043909-0

Superior Tribunal de Justiça STJ: Ag 1316825

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1228615 SP 2010/0225380-7

Andrea Vieira, Advogado
Artigoshá 4 anos

Quais são os direitos do consumidor diante do corte de energia elétrica?

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 2015320 MA 2021/0362453-3