jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal STF - AÇÃO PENAL: AP 528 DF - DISTRITO FEDERAL 000XXXX-86.2006.1.00.0000

Supremo Tribunal Federal
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Segunda Turma

Julgamento

12 de Junho de 2018

Relator

Min. EDSON FACHIN

Documentos anexos

Inteiro TeorSTF_AP_528_9db30.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PENAL.PROCESSUAL PENAL. AÇÃO PENAL. PECULATO-DESVIO. DEPUTADO FEDERAL E CORRÉU SEM PRERROGATIVA DE FORO.

1.DESVIO, EM PROVEITO PRÓPRIO, DOS RECURSOS PÚBLICOS DESTINADOS À CONTRATAÇÃO DOS ASSESSORES PARLAMENTARES. ACERVO PROBATÓRIO INSUFICIENTE. ÔNUS DA PROVA. INCUMBÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. AUSÊNCIA DE CORROBORAÇÃO.
2.MODALIDADE SUBSIDIÁRIA DE PECULATO-DESVIO. ERÁRIO PÚBLICO UTILIZADO PARA PAGAMENTO DE EMPREGADOS PARTICULARES, CONTRATADOS, FORMALMENTE, COMO SECRETÁRIOS PARLAMENTARES. PRECEDENTES INQ 1.926 E INQ 3.776. LASTRO PROBATÓRIO INSUFICIENTE. ATIVIDADE DE SECRETÁRIO PARLAMENTAR NA AMBIÊNCIA DO DIREITO PENAL ASSENTADA NA AP 504/DF. PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. ABSOLVIÇÃO. 1. A denúncia descreve esquema de desvio, em proveito próprio, dos recursos públicos da Câmara dos Deputados destinados à contratação de assessores parlamentares. 2. Ausência de inequívoca comprovação de que os assessores parlamentares, efetivamente, repassaram a remuneração ao Deputado Federal por intermédio de seu irmão.
3.As provas orais colhidas nos autos se mostram insubsistentes para caracterizar o cometimento dos crimes noticiados na incoativa, sobretudo quanto cotejadas com o laudo pericial e documentos requisitados.
4.Crime de peculato, sob o viés do desvio de dinheiro público, em proveito próprio, por meio da utilização da Administração Pública para pagar o salário de empregado particular.
5.O julgamento da AP 504/DF, Segunda Turma, Rel. do Acórdão Dias Toffoli, densificou a discussão da matéria ao esclarecer que, na ambiência do direito penal, a atividade de secretário parlamentar “não se limita ao desempenho de tarefas burocráticas (pareceres, estudos, expedição de ofícios, acompanhamentos de proposições, redação de minutas de pronunciamento, emissão de passagens aéreas, emissão de documentos, envio de mensagens eletrônicas oficiais etc.), compreende outras atividades de apoio intrinsecamente relacionadas ao exercício do mandato parlamentar, como o atendimento à população (art. 8º do Ato da Mesa nº 72/97, da Câmara dos Deputados)”.
6.Lastro probatório insuficiente para demonstrar que os secretários parlamentares foram contratados, apenas formalmente, para que recebessem os salários por meio da Câmara dos Deputados, quando, na realidade, desempenhavam exclusiva atividade privada para parlamentar, com auxílio do irmão.
7.Princípio do in dubio pro reo, tendo em conta que a prova contida nos autos é totalmente insegura, o que impõe a absolvição com fulcro no artigo 386,VII, do Código de Processo Penal. (AP 528, Relator (a): Min. EDSON FACHIN, Segunda Turma, julgado em 12/06/2018, ACÓRDÃO ELETRÔNICO DJe-019 DIVULG 31-01-2019 PUBLIC 01-02-2019)

Decisão

A Turma, por votação unânime, com fulcro no art. 386, VII, do Código de Processo Penal, absolveu os réus Wladimir Afonso da Costa Rabelo e Wlaudecir Antonio da Costa Rabelo, nos termos do voto do Relator. Presentes à sessão, o Dr. Carlos Vilhena, pelo Ministério Público Federal e, em favor do réu Wlaudecir Antonio da Costa Rabelo, o Dr. Gustavo de Almeida Ribeiro, Defensor Público Federal. Presidência do Ministro Ricardo Lewandowski. 2ª Turma, 12.6.2018.

Referências Legislativas

Observações

- Acórdão (s) citado (s): (PECULATO-DESVIO) Inq 1926 (TP), Inq 3776 (1ªT). (PROCESSO PENAL, IN DUBIO PRO REO) AP 421 (1ªT), AP 554 (1ªT), AP 612 (TP), AP 619 (2ªT), AP 678 (1ªT), AP 427 (TP). (PROCESSO PENAL, PRODUÇÃO DE PROVA, ÂMBITO JUDICIAL) HC 73338 (1ªT). (PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA) HC 93883 (2ªT), ADPF 144 (TP), HC 95290 (2ªT). (ATIVIDADE, SECRETÁRIO PARLAMENTAR) AP 504 (2ªT). (ACUSAÇÃO PENAL, ÔNUS DA PROVA) HC 88875 (2ªT). - Acórdão (s) citado (s) - outros tribunais: RT 422/299, RT 426/395, RT 448/334, RT 479/358, RT 547/355, RT 512/355, RT 520/484, RT 165/596. Número de páginas: 63. Análise: 20/03/2019, JRS.
Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/768159906/acao-penal-ap-528-df-distrito-federal-0002523-8620061000000

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Jurisprudênciahá 10 anos

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CRIMINAL (ACR): APR 000XXXX-89.2002.4.01.3301

Tribunal Superior Eleitoral
Jurisprudênciahá 10 anos

Tribunal Superior Eleitoral TSE - Habeas Corpus: HC 6909 MT

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 8 meses

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Criminal: APR 023XXXX-14.2019.8.21.7000 RS

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 meses

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS: AgRg no RHC 144053 RJ 2021/0076478-3

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 11 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 009XXXX-53.2005.8.13.0408 Matias Barbosa