jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal STF - MANDADO DE SEGURANÇA: MS 25295 DF

Supremo Tribunal Federal
há 15 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Tribunal Pleno

Partes

MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, JULIO REBELLO HORTA E OUTRO(A/S), PRESIDENTE DA REPÚBLICA, ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

Publicação

DJe-117 DIVULG 04-10-2007 PUBLIC 05-10-2007 DJ 05-10-2007 PP-00022 EMENT VOL-02292-01 PP-00172

Julgamento

20 de Abril de 2005

Relator

JOAQUIM BARBOSA

Documentos anexos

Inteiro TeorMS_25295_DF-_20.04.2005.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. UNIÃO FEDERAL. DECRETAÇÃO DE ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. REQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MUNICIPAIS. DECRETO 5.392/2005 DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA. MANDADO DE SEGURANÇA DEFERIDO.

Mandado de segurança, impetrado pelo município, em que se impugna o art. , V e VI (requisição dos hospitais municipais Souza Aguiar e Miguel Couto) e § 1º e § 2º (delegação ao ministro de Estado da Saúde da competência para requisição de outros serviços de saúde e recursos financeiros afetos à gestão de serviços e ações relacionados aos hospitais requisitados) do Decreto 5.392/2005, do presidente da República. Ordem deferida, por unanimidade. Fundamentos predominantes: (i) a requisição de bens e serviços do município do Rio de Janeiro, já afetados à prestação de serviços de saúde, não tem amparo no inciso XIII do art. 15 da Lei 8.080/1990, a despeito da invocação desse dispositivo no ato atacado; (ii) nesse sentido, as determinações impugnadas do decreto presidencial configuram-se efetiva intervenção da União no município, vedada pela Constituição; (iii) inadmissibilidade da requisição de bens municipais pela União em situação de normalidade institucional, sem a decretação de Estado de Defesa ou Estado de Sítio. Suscitada também a ofensa à autonomia municipal e ao pacto federativo. Ressalva do ministro presidente e do relator quanto à admissibilidade, em tese, da requisição, pela União, de bens e serviços municipais para o atendimento a situações de comprovada calamidade e perigo públicos. Ressalvas do relator quanto ao fundamento do deferimento da ordem: (i) ato sem expressa motivação e fixação de prazo para as medidas adotadas pelo governo federal; (ii) reajuste, nesse último ponto, do voto do relator, que inicialmente indicava a possibilidade de saneamento excepcional do vício, em consideração à gravidade dos fatos demonstrados relativos ao estado da prestação de serviços de saúde no município do Rio de Janeiro e das controvérsias entre União e município sobre o cumprimento de convênios de municipalização de hospitais federais; (iii) nulidade do § 1º do art. 2º do decreto atacado, por inconstitucionalidade da delegação, pelo presidente da República ao ministro da Saúde, das atribuições ali fixadas; (iv) nulidade do § 2º do art. 2º do decreto impugnado, por ofensa à autonomia municipal e em virtude da impossibilidade de delegação.

Decisão

O Tribunal, por unanimidade, concedeu a ordem para restabelecer a administração e gestão, por parte do Munícipio do Rio de Janeiro, dos hospitais municipais Souza Aguiar e Miguel Couto; administração dos servidores municipais lotados nestes dois hospitais municipais; bem como vedar à União à pretensão de utilizar os servidores municipais, os bens e os serviços contratados pelo município impetrante nos outros quatros hospitais que retornaram à gestão Federal, sem a assunção do respectivo custo (conforme a letra a, do item V da petição inicial), nos termos dos votos respectivos de cada um de seus ministros. Votou o Presidente, Ministro Nelson Jobim. Falaram, pelo impetrante, o Dr. Júlio Rebello Horta, pela Advocacia-Geral da União, o Dr. Álvaro Augusto Ribeiro Costa, Advocacia-Geral da União e, pelo Ministério Público Federal, o Dr. Cláudio Lemos Fonteles, Procurador-Geral da República. Ausente, justificadamente, o Senhor Ministro Eros Grau. Plenário, 20.04.2005.

Resumo Estruturado

-VIDE EMENTA E INDEXAÇÃO PARCIAL: AUSÊNCIA, MOTIVAÇÃO, ATO ADMINISTRATIVO, PRESIDENTE DA REPÚBLICA, DECLARAÇÃO, CALAMIDADE PÚBLICA, SETOR HOSPITALAR, SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), RIO DE JANEIRO (RJ), REQUISIÇÃO, BENS, SERVIÇOS MUNICIPAIS. CONSTITUIÇÃO FEDERAL, IMPLANTAÇÃO, SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PRINCÍPIO, DESCENTRALIZAÇÃO, DIVISÃO, ATRIBUIÇÃO. DESCENTRALIZAÇÃO, RIO DE JANEIRO (RJ), RESULTADO, REDUÇÃO, PRESENÇA, GOVERNO FEDERAL, ÁREA, SAÚDE, CONSEQUÊNCIA, MUNICIPALIZAÇÃO, REDE, HOSPITAL FEDERAL. -RESSALVA DE ENTENDIMENTO, MIN. JOAQUIM BARBOSA: REGIME, BENS PÚBLICOS, BRASIL, AUSÊNCIA, EXCLUSÃO, POSSIBILIDADE, PESSOA PÚBLICA, REQUISIÇÃO, BEM, DIVERSIDADE, PESSOA PÚBLICA, NECESSÁRIO, OBSERVÂNCIA, OBJETIVO PÚBLICO, ANTERIORIDADE, AFETAÇÃO. APLICAÇÃO, BENS PÚBLICOS, MUNICÍPIO, RIO DE JANEIRO (RJ), HIPÓTESE, REQUISIÇÃO, PREVISÃO, LEI FEDERAL. CONSTITUIÇÃO FEDERAL, AUTORIZACAO, UNIÃO, DESEMPENHO, COMPETÊNCIA CONSTITUCIONAL, UTILIZAÇÃO, MEDIDA ADMINISTRATIVA, OBJETIVO, RESTAURAÇÃO, NORMALIDADE, RIO DE JANEIRO (RJ), DESNECESSIDADE, ASSUNÇÃO, COMANDO POLÍTICO, ENTE FEDERADO. -FUNDAMENTAÇÃO COMPLEMENTAR, MIN. CARLOS BRITTO: CONCESSÃO, MANDADO DE SEGURANÇA, DECLARAÇÃO, NULIDADE, TOTALIDADE, DECRETO. CARACTERIZAÇÃO, HIPÓTESE, INTERVENÇÃO FEDERAL, DECRETO PRESIDENCIAL, APOSSAMENTO, BENS, SERVIÇOS, SERVIDORES, RECURSOS PÚBLICOS, MUNICÍPIO, EXCEÇÃO, HIPÓTESE, EXISTÊNCIA, ESTADO DE DEFESA, ESTADO DE SÍTIO. CONSTITUIÇÃO FEDERAL, CRIAÇÃO, SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), COMPARAÇÃO, CONDOMÍNIO FUNCIONAL, BASE, PRINCÍPIO DA DESCENTRALIZAÇÃO, DECRETO PRESIDENCIAL, IMPUGNAÇÃO, RESULTADO, RECENTRALIZAÇÃO. -RESSALVA DE ENTENDIMENTO, MIN. MARÇO AURÉLIO: ATO ADMINISTRATIVO, NECESSIDADE, OBSERVÂNCIA, MOTIVAÇÃO, BASE PRIMÁRIA, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, JUSTIFICATIVA, REFERÊNCIA, CAPACIDADE INTUITIVA, ADMINISTRADOR. DECRETO, IMPUGNAÇÃO, AUSÊNCIA, REFERÊNCIA, INTERVENÇÃO FEDERAL, MOTIVO, UNIÃO, IMPOSSIBILIDADE, INTERVENÇÃO, MUNICÍPIO. CABIMENTO, ESTADO, INTERVENÇÃO, MUNICÍPIO. HIPÓTESE, AUTOS, REFERÊNCIA, CALAMIDADE PÚBLICA, AUSÊNCIA, CARACTERIZAÇÃO, ESTADO DE DEFESA, FATO, DEFICIÊNCIA, VERIFICAÇÃO, SERVIÇO PÚBLICO, SAÚDE.

Referências Legislativas

Observações

-Acórdãos citados: IF 590 QO , MS (RTJ 167/6) 23766 MC. N.PP.: 86 Análise: 05/11/2007, JBM.
Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/765235/mandado-de-seguranca-ms-25295-df

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Notíciashá 3 anos

Jurisprudência em Teses traz entendimentos sobre a Intervenção do Estado na Propriedade Privada

Cristiano Henrique, Estudante de Direito
Artigosano passado

Quando a polícia pode entrar na residência de alguém?

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 2 anos

Supremo Tribunal Federal STF - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE: ADI 6362 DF

Intervenção Federal e Repartição de Competências

Jurisprudênciahá 14 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte TJ-RN - Mandado de Seguranca sem Liminar: MS 25295 RN 2008.002529-5