jusbrasil.com.br
6 de Julho de 2022
  • 2º Grau
  • Repercussão Geral
  • Decisão de mérito
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 561836 RN

Supremo Tribunal Federal
há 8 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

RE 561836 RN

Órgão Julgador

Tribunal Pleno

Partes

RECTE.(S) : ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, RECDO.(A/S) : MARIA LUZINETE MARINHO, INTDO.(A/S) : SINJUSC - SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DE SANTA CATARINA., INTDO.(A/S) : SINDIFERN - SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, INTDO.(A/S) : ASSOCIAÇÃO DOS PENSIONISTAS DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE SÃO PAULO - APIPREM, INTDO.(A/S) : ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO - ANAMATRA, INTDO.(A/S) : ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO - CONAMP, INTDO.(A/S) : UNIÃO

Publicação

10/02/2014

Julgamento

26 de Setembro de 2013

Relator

LUIZ FUX

Documentos anexos

Inteiro TeorRE_561836_RN_1403612251511.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

1) Direito monetário. Conversão do padrão monetário: Cruzeiro Real em URV. Direito aos 11,98%, ou do índice decorrente do processo de liquidação, e a sua incorporação. Competência privativa da União para legislar sobre a matéria. Art. 22, inciso VI, da Constituição da Republica. Inconstitucionalidade formal da lei estadual nº 6.612/94 que regula o tema da conversão do Cruzeiro Real em URV.
2) O direito ao percentual de 11,98%, ou do índice decorrente do processo de liquidação, na remuneração do servidor, resultante da equivocada conversão do Cruzeiro Real em URV, não representa um aumento na remuneração do servidor público, mas um reconhecimento da ocorrência de indevido decréscimo no momento da conversão da moeda em relação àqueles que recebem seus vencimentos em momento anterior ao do término do mês trabalhado, tal como ocorre, verbi gratia, no âmbito do Poder Legislativo e do Poder Judiciário por força do art. 168 da Constituição da Republica.
3) Consectariamente, o referido percentual deve ser incorporado à remuneração dos aludidos servidores, sem qualquer compensação ou abatimento em razão de aumentos remuneratórios supervenientes.
4) A limitação temporal do direito à incorporação dos 11,98% ou do índice decorrente do processo de liquidação deve adstringir-se ao decisum na ADI nº 2.323-MC/DF e na ADI nº 2.321/DF.
5) O término da incorporação dos 11,98%, ou do índice obtido em cada caso, na remuneração deve ocorrer no momento em que a carreira do servidor passa por uma restruturação remuneratória, porquanto não há direito à percepção ad aeternum de parcela de remuneração por servidor público.
6) A irredutibilidade estipendial recomenda que se, em decorrência da reestruturação da carreira do servidor, a supressão da parcela dos 11,98%, ou em outro percentual obtido na liquidação, verificar-se com a redução da remuneração, o servidor fará jus a uma parcela remuneratória (VPNI) em montante necessário para que não haja uma ofensa ao princípio, cujo valor será absorvido pelos aumentos subsequentes.
7) A reestruturação dos cargos no âmbito do Poder Judiciário Federal decorreu do advento da Lei nº 10.475/2002, diploma legal cuja vigência deve servir de termo ad quem para o pagamento e incorporação dos 11,98% no âmbito do referido Poder.
8) Inconstitucionalidade.
9) Recurso extraordinário interposto pelo estado do Rio Grande do Norte conhecido e parcialmente provido, porquanto descabida a pretensa compensação do percentual devido ao servidor em razão da ilegalidade na conversão de Cruzeiros Reais em URV com aumentos supervenientes a título de reajuste e revisão de remuneração, restando, por outro lado, fixado que o referido percentual será absorvido no caso de reestruturação financeira da carreira, e declarada incidenter tantum a inconstitucionalidade da Lei nº 6.612, de 16 de maio de 1994, do estado do Rio Grande do Norte.

Decisão

Retirado de pauta ante a aposentadoria do Senhor Ministro Eros Grau (Relator). Ausente, licenciado, o Senhor Ministro Joaquim Barbosa. Presidência do Senhor Ministro Cezar Peluso. Plenário, 04.08.2010. Decisão: Após o relatório e as sustentações orais da Dra. Ana Karenina de Figueiredo Ferreira Stábile, Procuradora do Estado, pelo recorrente; do Dr. Thiago Luís Sombra, Procurador do Estado, pelo amicus curiae Estado de São Paulo; do Dr. Alberto Pavie Ribeiro, pelo amicus curiae Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho; do Dr. Pedro Maurício Pita Machado, pelo amicus curiae Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Santa Catarina - SINJUSC, e do Dr. Rodrigo Janot Monteiro de Barros, Procurador-Geral da República, pelo Ministério Público Federal, o julgamento foi suspenso. Ausente, justificadamente, o Ministro Joaquim Barbosa (Presidente), em participação no Global Constitutionalism Seminar, na Yale Law School, nos Estados Unidos da América. Presidência do Ministro Ricardo Lewandowski (Vice-Presidente, no exercício da Presidência). Plenário, 25.09.2013. Decisão: Prosseguindo no julgamento, o Tribunal, por unanimidade e nos termos do voto do Relator, deu parcial provimento ao recurso extraordinário e declarou incidenter tantum a inconstitucionalidade da Lei nº 6.612, de 16 de maio de 1994, do Estado do Rio Grande do Norte. Votou o Ministro Ricardo Lewandowski, Vice-Presidente no exercício da Presidência. Ausente na declaração de inconstitucionalidade o Ministro Dias Toffoli. Ausentes, justificadamente, o Ministro Joaquim Barbosa (Presidente), em participação no Global Constitutionalism Seminar, na Yale Law School, nos Estados Unidos da América, e o Ministro Celso de Mello. Plenário, 26.09.2013.

Acórdão

Retirado de pauta ante a aposentadoria do Senhor Ministro Eros Grau (Relator). Ausente, licenciado, o Senhor Ministro Joaquim Barbosa. Presidência do Senhor Ministro Cezar Peluso. Plenário, 04.08.2010. Decisão: Após o relatório e as sustentações orais da Dra. Ana Karenina de Figueiredo Ferreira Stábile, Procuradora do Estado, pelo recorrente; do Dr. Thiago Luís Sombra, Procurador do Estado, pelo amicus curiae Estado de São Paulo; do Dr. Alberto Pavie Ribeiro, pelo amicus curiae Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho; do Dr. Pedro Maurício Pita Machado, pelo amicus curiae Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Santa Catarina - SINJUSC, e do Dr. Rodrigo Janot Monteiro de Barros, Procurador-Geral da República, pelo Ministério Público Federal, o julgamento foi suspenso. Ausente, justificadamente, o Ministro Joaquim Barbosa (Presidente), em participação no Global Constitutionalism Seminar, na Yale Law School, nos Estados Unidos da América. Presidência do Ministro Ricardo Lewandowski (Vice-Presidente, no exercício da Presidência). Plenário, 25.09.2013. Decisão: Prosseguindo no julgamento, o Tribunal, por unanimidade e nos termos do voto do Relator, deu parcial provimento ao recurso extraordinário e declarou incidenter tantum a inconstitucionalidade da Lei nº 6.612, de 16 de maio de 1994, do Estado do Rio Grande do Norte. Votou o Ministro Ricardo Lewandowski, Vice-Presidente no exercício da Presidência. Ausente na declaração de inconstitucionalidade o Ministro Dias Toffoli. Ausentes, justificadamente, o Ministro Joaquim Barbosa (Presidente), em participação no Global Constitutionalism Seminar, na Yale Law School, nos Estados Unidos da América, e o Ministro Celso de Mello. Plenário, 26.09.2013.

Resumo Estruturado

- DISPOSITIVO, REGULAMENTAÇÃO, CONVERSÃO, REMUNERAÇÃO, SERVIDOR PÚBLICO, PREVISÃO, LEI, CRIAÇÃO, PLANO REAL, ABRANGÊNCIA, SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL, SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL, AUSÊNCIA, EXCLUSIVIDADE, SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL, MOTIVO, INEXISTÊNCIA, OFENSA, AUTONOMIA, ESTADO-MEMBRO, MUNICÍPIO, PREVISÃO, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, DECORRÊNCIA, UNIÃO, EXERCÍCIO, COMPETÊNCIA PRIVATIVA, EDIÇÃO, LEI, REGULAMENTAÇÃO, SISTEMA MONETÁRIO, PREVISÃO, CONSTITUIÇÃO FEDERAL. INCORPORAÇÃO, ÍNDICE, DECORRÊNCIA, ERRO DE CÁLCULO, CONVERSÃO, CRUZEIRO REAL, UNIDADE REAL DE VALOR (URV), SALÁRIO, SERVIDOR PÚBLICO, AUSÊNCIA, OFENSA, PREVISÃO, CONSTITUIÇÃO FEDERAL, NECESSIDADE, DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA PRÉVIA, AUTORIZAÇÃO EXPRESSA, LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS (LDO), CONCESSÃO, AUMENTO, MOTIVO, AUSÊNCIA, CARACTERIZAÇÃO, ACRÉSCIMO, SALÁRIO. AUSÊNCIA, INCORPORAÇÃO, ÍNDICE, DECORRÊNCIA, ERRO DE CÁLCULO, CONVERSÃO, CRUZEIRO REAL, UNIDADE REAL DE VALOR (URV), SITUAÇÃO, AUSÊNCIA, REESTRUTURAÇÃO, REMUNERAÇÃO, SERVIDOR PÚBLICO, CARACTERIZAÇÃO, OFENSA, PRINCÍPIO, IRREDUTIBILIDADE DE VENCIMENTOS, DIREITO ADQUIRIDO.

Referências Legislativas

  • LEG-FED CF ANO-1988 ART- 00005 INC-00036 ART- 00018 ART- 00022 INC-00006 ART- 00037 INC-00010 ART- 00168 ART- 00169 PAR-00001 INC-00001 INC-00002 CF-1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  • LEG-FED LEI- 005869 ANO-1973 ART-0543A PAR-00006 CPC-1973 CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL
  • LEG-FED LEI- 008880 ANO-1994 ART-00004 ART-00022 INC-00001 INC-00002 PAR-00001 PAR-00002 PAR-00003 PAR-00004 PAR-00005 PAR-00006 PAR-00007 LET-A LET-B ART-00028 LEI ORDINÁRIA
  • LEG-FED LEI- 010475 ANO-2002 LEI ORDINÁRIA
  • LEG-FED RGI ANO-1980 ART-00323 PAR-00003 RISTF-1980 REGIMENTO INTERNO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
  • LEG-FED SUMSTF-000339 SÚMULA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL STF
  • LEG-EST LEI-006612 ANO-1994 LEI ORDINÁRIA, RN

Observações

- Acórdão (s) citado (s): (LEI ESTADUAL, 11,98%, CONVERSÃO, CRUZEIRO REAL, URV) AI 587741 AgR (2ªT), RE 529559 AgR (1ªT), AI 609505 AgR (2ªT). (INCORPORAÇÃO, 11,98%, DIREITO ADQUIRIDO) AI 338712 AgR (2ªT). (LIMITAÇÃO TEMPORAL, INCORPORAÇÃO, 11,98%) AI 440171 AgR (2ªT), RE 416940 AgR (2ªT), AI 638226 AgR (1ªT), AI 587741 AgR (2ªT), RE 523793 AgR (2ªT), ADI 2321 MC (TP), ADI 2323 MC (TP), ADI 1797 (TP). (SERVIDOR PÚBLICO, VENCIMENTO, 11,98%, URV) SL 308 AgR (TP). - Acórdão (s) citado (s) - outros tribunais: (REESTRUTURAÇÃO CARREIRA, ÍNDICE, 11,98%) STJ: AgRg no AgRg no AResp 110184. Número de páginas: 90. Análise: 17/02/2014, IVA. Revisão: 17/07/2014, SER.
Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/25136501/recurso-extraordinario-re-561836-rn

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1510116 SP 2019/0148324-0

Tribunal de Justiça do Mato Grosso
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Mato Grosso TJ-MT - Embargos de Declaração: ED 000XXXX-33.2017.8.11.0000 MT

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 5 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 521XXXX-77.2019.8.13.0024 MG

Tribunal de Justiça de Goiás
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de Goiás TJ-GO - Apelação / Remessa Necessária: 001XXXX-54.2019.8.09.0051 GOIÂNIA

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação: APL 003XXXX-60.2012.8.26.0053 SP 003XXXX-60.2012.8.26.0053