jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal
há 16 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

RE 361829 RJ

Órgão Julgador

Segunda Turma

Partes

AÇÃO S/A CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO, EDUARDO FERRÃO, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, JAQUELINE RIPPER NOGUEIRA DO VALE CUNTIN PEREZ

Publicação

DJ 24-02-2006 PP-00051 EMENT VOL-02222-03 PP-00593 LEXSTF v. 28, n. 327, 2006, p. 240-257 RIP v. 8, n. 36, 2006, p. 299-310

Julgamento

13 de Dezembro de 2005

Relator

Min. CARLOS VELLOSO

Documentos anexos

Inteiro TeorRE_361829_RJ_1279049578751.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RE361829 EmentaeAcórdão (1) Supremo Tribunal Federal

Diário da Justiça de 24/02/2006

13/12/2005 SEGUNDA TURMA

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 361.829-6 RIO DE JANEIRO

RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO

RECORRENTE (S) : AÇÃO S/A CORRETORA DE VALORES E

CÂMBIO E OUTRO (A/S)

ADVOGADO (A/S) : EDUARDO FERRÃO E OUTRO (A/S)

RECORRIDO (A/S) : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

ADVOGADO (A/S) : JAQUELINE RIPPER NOGUEIRA DO VALE

CUNTIN PEREZ

EMENTA: CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. ISS. LEI COMPLEMENTAR: LISTA DE SERVIÇOS: CARÁTER TAXATIVO. LEI COMPLEMENTAR 56, DE 1987: SERVIÇOS EXECUTADOS POR INSTITUIÇÕES AUTORIZADAS A FUNCIONAR PELO

BANCO CENTRAL: EXCLUSÃO.

I. – É taxativa, ou limitativa, e não simplesmente

exemplificativa, a lista de serviços anexa à lei complementar,

embora comportem interpretação ampla os seus tópicos. Cuida-se, no caso, da lista anexa à Lei Complementar 56/87.

II. – Precedentes do Supremo Tribunal Federal.

III. – Ilegitimidade da exigência do ISS sobre serviços expressamente excluídos da lista anexa à Lei Complementar 56/87.

IV. – RE conhecido e provido.

A C Ó R D Ã O

Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os

Ministros do Supremo Tribunal Federal, em Segunda Turma, sob a

Presidência do Senhor Ministro Celso de Mello, na conformidade da

ata de julgamentos e das notas taquigráficas, por unanimidade de

votos, em conhecer e dar provimento ao recurso extraordinário, nos

termos do voto do Relator. Ausente, justificadamente, neste

julgamento, o Senhor Ministro Joaquim Barbosa.

Brasília, 13 de dezembro de 2005.

CARLOS VELLOSO - RELATOR

Relatório (6) Supremo Tribunal Federal

13/12/2005 SEGUNDA TURMA

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 361.829-6 RIO DE JANEIRO

RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO

RECORRENTE (S) : AÇÃO S/A CORRETORA DE VALORES E

CÂMBIO E OUTRO (A/S)

ADVOGADO (A/S) : EDUARDO FERRÃO E OUTRO (A/S)

RECORRIDO (A/S) : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

ADVOGADO (A/S) : JAQUELINE RIPPER NOGUEIRA DO VALE

CUNTIN PEREZ

R E L A T Ó R I O

O Sr. Ministro CARLOS VELLOSO : - A Décima Oitava Câmara Cível do eg. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, às

fls. 534-536, em mandado de segurança, decidiu pela legitimidade da cobrança de ISS, pelo Município do Rio de Janeiro, de instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil,

com fundamento em sua competência tributária ( CF, arts. 30, III, e 156, III), dado que a isenção prevista em lei complementar editada pela União (LC 56/87) configura restrição ao poder de tributar do

Município, restrição essa que não mais prevalece na vigência da

atual Constituição, nos termos do art. 151, III, motivo por que é aplicável a legislação municipal que deixou de contemplar tal

privilégio fiscal (Lei carioca 691/84, com a redação dada pela Lei carioca 2.277/94).

Rejeitaram-se os embargos de declaração opostos (fls. 547-548).

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Daí os recursos especial (fls. 554-574) e extraordinário (fls. 581-603) interpostos por AÇÃO S/A CORRETORA DE VALORES E

CÂMBIO E OUTROS, este fundado no art. 102, III, a , b e c , da Constituição Federal, com alegação de ofensa aos arts. 146, III, a ; 150, § 6º; 153, V; 155, § 2º, XI, g ; e 156, IV, da mesma Carta.

No RE, dizem os recorrentes que a Lei carioca 2.277/94 deu nova redação ao disposto nos itens 44, 46 e 48 da Lei Complementar federal 56/87, “norma de hierarquia superior” (fl. 582), tendo o

acórdão recorrido, explicitamente, declarado a

“inconstitucionalidade parcial” (fl. 584) dos referidos itens.

Sustentam, mais, em síntese:

a) a ocorrência de ofensa ao art. 156, IV, da Constituição Federal, na medida em que, ao considerar válida a referida lei

municipal, o acórdão recorrido referendou a tese de que o fato

gerador de tributo pode ser instituído por lei ordinária;

b) a competência exclusiva da União para tributar

operações financeiras, nos termos do art. 153, V, da Constituição

Federal;

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

c) a existência de ofensa ao art. 146, III, a , da

Constituição Federal, mormente porque a competência tributária

conferida pela Constituição aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios somente é válida quando observadas as normas gerais

fixadas em lei complementar, estando em plena vigência o Decreto-lei 406/68, com as alterações do Decreto-lei 834/69 e da Lei

Complementar 56/87;

d) a inconstitucionalidade da Lei carioca 2.277/94, por afrontar os arts. 146, III, a ; 150, § 6º; 153, V; 155, § 2º, XII, g ; e 156, IV, da Constituição Federal, ao instituir a cobrança de ISS sobre serviços de administração de fundos, agenciamento, corretagem ou intermediação de títulos, bem como sobre agenciamento, corretagem ou intermediação de franquias e de faturação, quando executados por instituições financeiras, ante a inexistência de previsão da

incidência de ISS nessas hipóteses em lei complementar, certo que os itens 44, 46 e 48 da Lei Complementar 56/87 ressalvaram,

expressamente, essas hipóteses da incidência do ISS;

e) o próprio Prefeito do Município do Rio de Janeiro, ao vetar a Lei carioca 2.277/94, reconheceu tratar-se de uma exação

inconstitucional, tendo em vista o que dispõe o art. 148, III, a , da Constituição Federal;

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

f) a competência exclusiva da União para tributar

operações financeiras, nos termos do art. 153, V, da Constituição

Federal, certo que os serviços listados nos itens 44, 46 e 48,

quando prestados por instituições financeiras, são operações

relativas a títulos e valores mobiliários;

g) a ocorrência de equívoco do acórdão recorrido, na

medida em que não existiria, na espécie, isenção, mas ausência de

previsão legal, pois o Decreto-lei 406/68 e a Lei Complementar 56/87 “não fazem referência aos serviços especificados na inicial, como

passíveis de incidência de ISS, quando prestados por instituições

autorizadas a funcionar pelo Banco Central” (fl. 599);

h) “se na espécie há uma isenção heterônoma, esta foi

concedida pelo Decreto-Lei 406/68, que é norma de caráter

complementar” (fl. 600), somente passível de revogação por outra lei complementar, certo que a revogação de uma isenção equivale à

criação de um tributo, que, nos termos do art. 146, III, a , da

Constituição Federal, deve ser feita por lei complementar.

Admitido o recurso (fls. 638-640), subiram os autos.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

A Primeira Turma do eg. Superior Tribunal de Justiça negou provimento ao recurso especial (fls. 699-707, trânsito em julgado

certificado à fl. 708).

Determinei à Secretaria a juntada da cópia da decisão por mim proferida na AC 130-MC/RJ (fls. 711-713), o que foi feito às

fls. 715-717.

A Procuradoria Geral da República, em parecer lavrado pelo ilustre Subprocurador-Geral da República, Dr. Wagner de Castro

Mathias Netto, opinou pelo não-conhecimento do recurso (fls. 719-721).

Em 03.3.2005, neguei seguimento ao recurso extraordinário (fls. 723-733).

A Segunda Turma negou provimento ao agravo regimental

interposto pelos impetrantes (fls. 765-779).

Em 11.10.2005, a Segunda Turma recebeu os embargos de

declaração opostos e anulou o acórdão embargado (fls. 794-803).

Autos conclusos em 22.11.2005.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Em 30.11.2005, determinei a inclusão do feito em pauta (fl. 808).

É o relatório.

Voto-CARLOSVELLOSO (21) Supremo Tribunal Federal

13/12/2005 SEGUNDA TURMA

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 361.829-6 RIO DE JANEIRO

V O T O

O Sr. Ministro CARLOS VELLOSO (Relator): - No voto que

proferi quando do julgamento dos embargos de declaração interpostos

por Ação S/A Corretora de Valores e Câmbio e outro, escrevi:

“(...)

A espécie é a seguinte: a Lei Complementar 56, de 15.12.87, na lista das atividades sujeitas ao imposto sobre serviços, itens 44 (administração de fundos mútuos), 46 (agenciamento, corretagem ou intermediação de títulos quaisquer) e 48 (agenciamento, corretagem ou intermediação de contratos de franquia ⎯ franchise ⎯ e de faturação ⎯ factoring ), excepcionou: item 44: a administração de

fundos mútuos realizada por instituições autorizadas a

funcionar pelo Banco Central; item 46: os serviços

executados por instituições financeiras autorizadas a

funcionar pelo Banco Central; item 48: os serviços

prestados por instituições financeiras autorizadas a

funcionar pelo Banco Central.

A Lei Complementar 116, de 31.7.2003, que

revogou a Lei Complementar 56, de 1987, e a Lei

Complementar 100, de 1999, não contém as ressalvas

indicadas na Lei Complementar 56/87. A questão,

entretanto, foi posta sob a Lei Complementar 56, de 1987.

Acontece que a Lei 2.277, de 1994, do Município do Rio de Janeiro, vigente a partir de 1º.01.95, registra o advogado Luiz Octavio Gallotti, no excelente parecer que está nos autos, ‘ao reproduzir o conteúdo dos mesmos

itens, numerados em romano (XLIV, XLVI e XLVIII), suprimiu a exceção ditada pela lei complementar nacional em relação aos serviços prestados por instituições autorizadas a

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

funcionar pelo Banco Central. Vale dizer: tributou as

atividades explicitamente excluídas pela lei complementar’ (fl. 748), ou seja, pela Lei Complementar 56/87.

O Município sustentou que a Lei Complementar

56, de 1987, não teria sido recebida pela CF/88, por

conter ela isenção heterônoma, proibida pela mencionada

Carta, artigos 150, § 6º, e 151, III.

O acórdão embargado enfocou a questão apenas

sob o ponto de vista da isenção heterônoma. Foi omisso no que toca à questão da lista de serviços da lei

complementar. Noutras palavras, deixou o acórdão de

abordar e resolver a questão constitucional, que vem da CF/67, art. 24, II e § 4º, com a redação dada pela EC

1/69, inscrita, hoje, no art. 156, III e § 3º, I, II e III.

Realmente, a CF/67, art. 24, II, dispunha:

'Art. 24. Compete aos municípios

instituir impôsto sôbre:

I - ................................

II - serviços de qualquer natureza

não compreendidos na competência tributária da União ou dos Estados, definidos em lei

complementar.” (Grifei)

Acrescentava o § 4º do mesmo artigo 24:

‘§ 4º Lei complementar poderá fixar as alíquotas máximas do impôsto de que trata o item II.’

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

‘Art. 156. Compete aos Municípios

instituir impostos sobre (EC 3/93, EC 29/2000 e EC 37/2002):

(...)

III – serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei complementar;” (Grifei)

Acrescenta o § 3º do citado art.

156:

‘§ 3º Em relação ao imposto previsto no inciso III do caput deste artigo, cabe à lei complementar:

I – fixar as suas alíquotas máximas e mínimas;

II – excluir da sua incidência

exportações de serviços para o exterior;

III – regular a forma e as condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos.’

Essa matéria foi posta no RE. Todavia, o

acórdão embargado não a discutiu. Incorreu, portanto, em omissão, certo que a matéria foi prequestionada no acórdão do Tribunal local, tendo havido, inclusive, embargos de

declaração (fls. 534-536, 541-544 e 547-548).

Deve ser salientado, aliás, que a discussão a respeito da questão relativa à isenção heterônoma, no

caso, não dispensaria considerações a respeito da

exclusividade ou não da lista de serviços no definir

hipóteses de incidência do ISS.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

(...).” (Fls. 798-801)

A questão, portanto, resume-se no perquirir se a ressalva que a Lei Complementar 56, de 15.12.87, inseriu na lista das

atividades sujeitas ao imposto sobre serviços, excetuando da

tributação do ISS os serviços executados por instituições

autorizadas a funcionar pelo Banco Central (itens 44, 46 e 48),

teria sido recebida pela Constituição de 1988, art. 150, § 6º, e

151, III. É que, para o Município do Rio de Janeiro, a ressalva

mencionada, da Lei Complementar 56, de 1987, conteria isenção

heterônoma.

Essa é a questão.

Registrei, em trabalho de doutrina que escrevi, “Lei

Complementar Tributária”, em “Fórum Administrativo – Direito

Público”, 9/1343), que a Constituição de 1967, no art. 18, § 1º,

estatuía que “lei complementar estabelecerá normas gerais de direito tributário, disporá sobre os conflitos de competência nessa matéria entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios e

regulará as limitações constitucionais ao poder de tributar”.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Duas correntes doutrinárias surgiram. A primeira, a

corrente dicotômica, capitaneada por Geraldo Ataliba, sustentava que a lei complementar do § 1º do art. 18 da CF/67 tinha por finalidade editar normas gerais de direito tributário sobre a) conflitos de

competência entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os

Municípios e b) regular as limitações constitucionais à tributação (“Normas Gerais de Direito Financeiro e Tributário”, RDP 10/15). A segunda, a corrente tricotômica, sustentava, a seu turno, que a

citada lei complementar do § 1º do art. 18 da CF/67 tinha por

finalidade a) emitir normas gerais de direito tributário; b) dispor sobre conflitos de competência nessa matéria entre a União, os

Estados, o Distrito Federal e os Municípios; c) regular as

limitações constitucionais ao poder de tributar.

A questão foi bem exposta por Paulo de Barros Carvalho, dos principais líderes da corrente dicotômica:

“A linha tradicional de nossos tributaristas,

calcada na leitura pura e simples do arranjo textual do preceptivo, erigiu seu entendimento procurando respeitar

todas as cláusulas ao pé da letra, sem vislumbrar o

cabimento de quaisquer outras ponderações alheias à

estrutura lingüística do comando. Dessa maneira, encetou processo hermenêutico, de cunho estritamente literal, para chegar à inferência de que a lei complementar, citada no art. 18, § 1º, manifestava três distintas funções: a)

emitir normas gerais de direito tributário; b) dispor

sobre conflitos de competências, nessa matéria, entre a

União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; e

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

c) regular as limitações constitucionais ao poder de

tributar.

Trilhando raciocínio diferente, outra facção

doutrinária menos numerosa, mas edificada sobre os

alicerces de abalizadas opiniões científicas, veio

prosperando, enriquecida, cada vez mais, com valiosas

contribuições de novos adeptos. Não se limitando à feição gramatical do texto, buscava, antes de tudo, analisá-lo em confronto com as grandes diretrizes do sistema, para obter uma compreensão que pretendia ser coerente e harmônica. O produto desse trabalho exegético contestava a afirmação da corrente tradicional e, desapegado aos símbolos

lingüísticos do artigo, promoveu exame sistemático que

invocava a primazia da Federação e da autonomia dos

Municípios, para atingir os seguintes resultados: a lei

complementar do art. 18, § 1º, da Constituição anterior, tinha uma única finalidade: veicular normas gerais de

direito tributário. Estas, por seu turno, exerciam duas

funções, dispor sobre conflitos de competência entre as

entidades tributantes e regular as limitações

constitucionais ao poder de tributar.” (Paulo de Barros

Carvalho, “Curso de Direito Tributário”, Saraiva, 3ª ed., 1988, p. 110)

O fundamento básico sobre o qual se apoiava a corrente

dicotômica seria o respeito e “para que se tivesse por respeitado o

princípio federativo” (André Luiz Borges Netto, “Lei Complementar

Tributária”, em “Cadernos de Direito Constitucional e Ciência

Política”, 10/5). Predominou, entretanto, registra André Luiz Borges

Netto, a corrente tricotômica, que “sempre foi amplamente aceita

pelos tribunais e entre os juristas da ‘escola bem comportada do

Direito Tributário’”, com prejuízo, acrescenta, forte em Paulo de

Barros Carvalho, para “a integridade dos princípios da Federação e

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Complementar Tributária”, em “Caderno de Direito Constitucional e

Ciência Política”, 10/5).

Não obstante os poderosos argumentos dos adeptos da

corrente dicotômica, certo é que a prevalência da interpretação que conduziu à preponderância da corrente tricotômica não causou

prejuízo ao princípio federativo, como bem esclareceu Gilberto de

Ulhoa Canto: “Dizer-se que a lei complementar afetava a autonomia

dos Estados e Municípios, e por isso serem elas inconstitucionais, não é correto, pois a sua criação e o âmbito de sua competência

estão expressos na mesma Constituição que assegura a autonomia, que assim é restringida na sua própria origem. Por outro lado, as suas normas inibem também a autonomia legislativa da própria União, na

medida em que nem leis federais sobre tributos do poder central

escapam à necessidade de se submeterem ao que as leis complementares prescrevem, dentro dos limites que lhes são próprios. Acresce que a lei complementar é elaborada pelo Congresso Nacional, em cujos

quadros a União não tem condição alguma de influir, pois os

Senadores representam os Estados e os Deputados os colégios

eleitorais dos Estados e dos Municípios” (“Lei Complementar

Tributária”, em “Cadernos de Pesquisas Tributárias”, Coordenação de Ives Gandra Martins, São Paulo, v. 15, p. 02-03).

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

A Constituição de 1988 acabou com o debate (Ives Gandra Martins, “Comentários à Constituição do Brasil”, Saraiva, 2ªed.,

vol. VI, Tomo I, p. 78), porque adotou a corrente tricotômica, ao estabelecer, no art. 146:

“Art. 146. Cabe à lei complementar:

I - dispor sobre os conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o

Distrito Federal e os Municípios;

II - regular as limitações constitucionais ao poder de tributar;

III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre:

a) definição de tributos e de suas espécies,

bem como, em relação aos impostos discriminados nesta

Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes;

b) obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários;

c) adequado tratamento tributário ao ato

cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas.

(...).”

A lei complementar do art. 146 da Constituição disporá, em primeiro lugar, sobre os conflitos de competência, em matéria

tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os

Municípios (art. 146, I).

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

É certo que terá reduzido espaço para dispor sobre

conflitos de competência, dado que a competência tributária dos

entes políticos mencionados está estabelecida na Constituição. Por isso, esclarece Roque Carrazza, “no plano lógico-jurídico, não há

qualquer possibilidade de surgirem conflitos de competência

tributária entre a União, os Estados, os Municípios e o Distrito

Federal”. Todavia, acrescenta Carrazza: “Na prática, porém, como já vimos, podem surgir certas situações que, afinal, irão traduzir-se em ‘Conflitos’ de competência tributária” (Roque Antônio Carrazza, “Curso de Dir. Const. Trib.”, 11ª ed., Malheiros Ed., 1998, p. 528). Tal é o caso, por exemplo, acrescenta o mestre de Direito

Constitucional Tributário, da recauchutagem de pneumáticos, em que a lei complementar esclarecerá que se trata de prestação de serviço e não de industrialização, sujeita, portanto, ao ISS e não ao IPI

(Roque Antônio Carrazza, ob. e loc. cits.).

Com correção científica, leciona, a propósito do tema, Eduardo Arruda Alvim que “a lei complementar que dispuser sobre

possíveis conflitos de competência não pode inovar, em sentido

material, senão que, apenas, aclara o disposto no texto

constitucional” (“Lei Complementar Tributária”, em “Cadernos de

Direito Constitucional e Ciência Política”, 6/47). No mesmo sentido a lição de Ives Gandra Martins (ob. e loc. cits., p. 79 e segs.).

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Na linha do disposto no art. 18, § 1º, da CF/67, vale

dizer, com a finalidade de dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, estabelecia, mencionada CF/67, no art. 24, II,

competir aos municípios instituir imposto sobre serviços de qualquer natureza não compreendidos na competência tributária da União ou dos Estados, definidos em lei complementar, estabelecendo, mais, no § 4º do citado art. 24, que Lei Complementar poderá fixar as alíquotas

máximas do imposto de que trata o item II.

A Constituição de 1988, na mesma linha, art. 156, III,

dispôs:

“Art. 156. Compete aos Municípios instituir

impostos sobre (EC 3/93, 29/2000 e EC 37/2000):

(...)

III – serviços de qualquer natureza, não

compreendidos no art. 155, II, definidos em lei

complementar;

(...).”

O § 3º do citado art. 156 contém disposições a respeito.

A lei complementar, portanto, que definirá os serviços

sobre os quais incidirá o ISS tem por finalidade, sobretudo, afastar

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

os conflitos de competência, em matéria tributária, entre as

entidades políticas que compõem o Estado Federal brasileiro. Nesse sentido a lição de Sacha Calmon. (“Curso de Direito Tributário

Brasileiro”, Forense, 8ª ed., 2005, pág. 435).

Cabe-lhe, ademais, na forma do disposto no art. 146, III, a , estabelecer o fato gerador, a base de cálculo e o contribuinte do ISS. E mais: na forma do disposto no art. 156, § 3º, I, II e III, fixar as alíquotas máximas e mínimas do ISS, excluir da sua

incidência exportações de serviços para o exterior e regular a forma e as condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados.

A lei complementar, em resumo, no que toca ao ISS,

definirá os serviços sobre os quais incidirá o ISS, tendo por

finalidade, sobretudo: a) afastar os conflitos de competência, em

matéria tributária, entre as entidades políticas ( CF, art. 156, III; art. 146, I); b) cabe-lhe, ainda, estabelecer o fato gerador, a base de cálculo e o contribuinte do ISS (CF, art. 146, III, a ); c) fixar as alíquotas máximas e mínimas do ISS, excluir da sua incidência

exportação de serviços para o exterior e regular a forma e as

condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão

concedidos e revogados ( CF, art. 156, § 3º, I, II e III).

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

A Lei Complementar 116, de 2003, é a que disciplina, hoje, o ISS. Antes desta, era o Decreto-lei 406, de 31.12.68, recebido

pela CF/88, que disciplinava o citado tributo, cuja lista anexa de serviços foi atualizada pela Lei Complementar 56, de 15.12.87, e

pela Lei Complementar 100, de 22.12.99.

No caso, cuidamos da lista da Lei Complementar 56, de

1987.

O ISS é um imposto municipal. É dizer, ao Município

competirá instituí-lo ( CF, art. 156, III). Todavia, está ele jungido à norma de caráter geral, vale dizer, à lei complementar que

definirá os serviços tributáveis, lei complementar do Congresso

Nacional ( CF, art. 156, III).

Isto não quer dizer que a lei complementar possa definir como tributáveis pelo ISS serviços que, ontologicamente, não são

serviços. No conjunto de serviços tributáveis pelo ISS, a lei

complementar definirá aqueles sobre os quais poderá incidir o

mencionado imposto.

Bons juristas sustentam que a lista anexa à lei

complementar definidora dos serviços tributáveis não é taxativa.

Sacha Calmon, por todos, leciona que a Constituição vigente não

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

autorizaria interpretação no sentido de que a lista é taxativa. “É que na CF de 67, o seu art. 24, inciso II, dizia competir aos

municípios instituir imposto sobre ‘serviços de qualquer natureza

não compreendidos na competência tributária da União ou dos Estados, definidos em lei complementar.’ A redação falava genericamente em

serviços, sem nomeá-los. E, mais, dava prevalência a serviços

tributados, antes, pela União e os estados, que podiam recortar a

área dos serviços à disposição dos entes municipais. É o que não

ocorre com a redação da Constituição de 88, que apropria em prol dos municípios todos os serviços (de qualquer natureza) não

compreendidos no art. 155, II. Isto é, todo e qualquer serviço que não seja de comunicação e de transporte interestadual e

intermunicipal sujeita-se ao ISS, por expressa determinação

constitucional, inclusive o de transporte municipal (transporte no

âmbito territorial do município)” (“Curso de Direito Tributário

Brasileiro”, Forense, 8ª ed., 2005, p. 434).

Divirjo do ilustre tributarista.

A Constituição, no art. 156, III, estabelece que compete aos Municípios instituir imposto sobre “serviços de qualquer

natureza, não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei

complementar”.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

O texto precisa ser analisado com cautela.

Os serviços que poderão ser tributados pelo ISS são, em princípio, todos os serviços, menos os que estão compreendidos no

art. 155, II. Mas o citado preceito constitucional, inciso III do

art. 156, acrescenta a cláusula “definidos em lei complementar”. É dizer, todos os serviços definidos em lei complementar, menos os

compreendidos no art. 155, II, poderão ser objeto do ISS.

Dir-se-á que estamos fazendo interpretação gramatical.

Não. A interpretação é sistemática e teleológica. É que a lei

complementar, definindo os serviços sobre os quais incidirá o ISS, realiza a sua finalidade principal, que é afastar os conflitos de

competência, em matéria tributária, entre as pessoas políticas ( CF, art. 146, I). E isto ocorre em obséquio ao pacto federativo,

princípio fundamental do Estado e da República ( CF, art. ),

erigido, pelo constituinte originário, em cláusula pétrea ou

limitação material ao constituinte derivado ( CF, art. 60, § 4º, I). A norma constitucional tem por finalidade, portanto, afastando

conflitos entre pessoas políticas que compõem o Estado Federal,

garantir, no campo da repartição da competência tributária,

estabilidade ao pacto federativo.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Não obstante as magníficas lições de Geraldo Ataliba,

Cleber Giardino, Ayres Barreto, Roque Carrazza, Sacha Calmon, dentre outros eminentes juristas, não adoto a doutrina que defende que a

lista de serviços é exemplificativa. Confesso que já me inclinei

pela adoção dessa doutrina. Veja-se, por exemplo, o meu voto na AC 130-QO/RJ.

A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal orienta-se, de longa data, pela taxatividade da lista: RE 71.177/SP, Ministro

Rodrigues Alckmin, RTJ 70/121; RE 77.183/SP, Ministro Aliomar

Baleeiro, RTJ 73/490; RE 100.858/PE, Ministro Carlos Madeira, RTJ

117/214; RE 90.183/SP, Ministro Thompson Flores, RTJ 93/404; RE

105.477/PE, Ministro Francisco Rezek, RTJ 115/925. Neste, o Supremo Tribunal deixou expresso que, apesar de limitativa e não

exemplificativa a lista, cada um dos seus tópicos comporta

interpretação ampla. Mais: RE 91.737/MG, Ministro Décio Miranda, RTJ 97/357; RE 75.952, Ministro Thompson Flores, RDA 118/115; RE

87.931/RS, Ministro Xavier de Albuquerque, RTJ 89/281; RE

144.795/SP, Ministro Ilmar Galvão, RTJ 150/872; RE 100.858/PE,

Ministro Carlos Madeira, RTJ 117/214; RE 114.354/RJ, Ministro Carlos Madeira, RTJ 125/876; RE 103.909/MG, Ministro Moreira Alves, RTJ

114/363; RE 81.621/SP, Ministro Leitão de Abreu, RTJ 78/928.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

No RE 116.121/SP, o Ministro Celso de Mello deixou

expresso no seu voto:

“Sabemos que a tributabilidade dos serviços de qualquer natureza, não compreendidos na esfera de

competência impositiva das demais pessoas estatais, traduz prerrogativa que pertence aos Municípios, os quais, para esse efeito, ainda que em caráter residual (RICARDO LOBO TORRES, ‘ Curso de Direito Financeiro e Tributário ’, p. 331, item nº 7.4, 2ª ed., 1995, Renovar), dispõem do poder de instituir o ISS relativamente aos serviços definidos em lei complementar editada pela União Federal (CF/69, art. 24, II; CF/88, art. 156, III).”

No parecer que o Ministro Octavio Gallotti, eminente

jurista, ofereceu à nossa consideração, escreveu S. Exa.,

sustentando a taxatividade da lista:

“(...)

Não há como apregoar, contra essa evidência, a autonomia das municipalidades, quando decorre, da própria Constituição que a outorga, a limitação expressa em seu art. 156, III, ao conferir à lei complementar nacional a definição dos serviços tributáveis.

Do contrário, reduzir-se-ia a uma inutilidade a Lista elaborada pela União. E nada menos recomendável ao intérprete – é sabido e consabido – do que o resultado

onde se torna inócuo ou ociosa a disposição

constitucional.

VII

Essa mesma lista é, de seu turno, amplamente

reconhecida como taxativa pela doutrina e pela reiterada jurisprudência do Supremo Tribunal, embora comporte

entendimento extensivo ou analógico, métodos de exegese

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

certamente inidôneos para contrariar a restrição explícita da lei, como aquela de que ora se trata.

(...)”

Estabelecida a compreensão de que a lista de serviços é taxativa, vamos ao caso sob exame.

A lista de serviços anexa à Lei Complementar 56, de 1987, definiu como serviços tributáveis pelo ISS: item “44. Administração de fundos mútuos (exceto a realizada por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central);” item “46. Agenciamento, corretagem

ou intermediação de títulos quaisquer (exceto os serviços executados por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central);” item “48. Agenciamento, corretagem ou intermediação de contratos de

franquia ( franchise ) e de faturação ( factoring ) (excetuam-se os

serviços prestados por instituições autorizadas a funcionar pelo

Banco Central)”.

É dizer, a lista de serviços anexa à Lei Complementar

56/87 excluiu da tributação, nos itens 44, 46, 48, acima indicados, os serviços praticados por instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Não há falar em isenção, mas, simplesmente, em exclusão de

serviços praticados pelas instituições mencionadas. Trata-se, na

verdade, de não-incidência, motivo por que não há invocar o disposto

no art. 151, III, CF.

Em caso semelhante, RE 236.604/PR, por mim relatado,

decidiu o Supremo Tribunal Federal:

EMENTA: CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. ISS.

SOCIEDADES PRESTADORAS DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS.

ADVOCACIA. D.L. 406/68, art. 9º, §§ 1º e 3º. C.F., art. 151, III, art. 150, II, art. 145, § 1º.

I. - O art. , §§ 1º e , do DL. 406/68, que cuidam da base de cálculo do ISS, foram recebidos pela

CF/88: CF/88, art. 146, III, a. Inocorrência de ofensa ao art. 151, III, art. 34, ADCT/88, art. 150, II e 145, § 1º, CF/88.

II. - R.E. não conhecido.” (RTJ 170/1.001)

Destaco do voto que proferi:

“(...)

Sustenta-se, no RE, que os §§ 1º e , do art. , do DL 406/68, não foram recebidos pela CF/88: a

redução da base de cálculo prevista nos citados §§ 1º e do art. do DL 406/68, configura uma isenção parcial, o que é vedado pelo art. 151, III, da CF/88, pelo que incide a regra do art. 34, § 5º, ADCT. Ademais, o regime de

tributação fixa anual, que privilegia alguns

contribuintes, contraria o art. 150, II, da CF/88.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

Ademais, só a base de cálculo instituída no caput do art. do DL 406/68, a do preço do serviço, é que atende a recomendação do art. 145, § 1º, da CF/88.

Examinemos a questão.

Indaga-se: os §§ 1º e 3º do DL 406/68 teriam sido recebidos pela CF/88? Noutras palavras, os §§ 1º e , do art. , do DL 406/68, segundo o recorrente,

configurariam uma isenção. Por isso, tendo em vista o

disposto no art. 151, III, da CF/88, que veda à União

instituir isenções de tributos da competência dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, os citados

dispositivos, §§ 1º e , do art. , do DL 406/68, não foram recebidos pela CF/88.

Dispõem o art. e os seus §§ 1º e 3º, do DL 406/68:

‘Art. 9º A base de cálculo do

imposto é o preço do serviço.

§ 1º. Quando se tratar de prestação de serviços sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte, o imposto será calculado por meio de alíquotas fixas ou variáveis, em

função da natureza do serviço ou de outros

fatores pertinentes, nestes não compreendida a importância paga a título de remuneração do

próprio trabalho.

§ 3º. Quando os serviços a que se

referem os itens 1, 4, 8, 25, 52, 88, 89, 90, 91 e 92 da lista anexa forem prestados por

sociedades, estas ficarão sujeitas ao imposto

na forma do § 1º, calculado em relação a cada profissional habilitado, sócio, empregado ou

não, que preste serviços em nome da sociedade, embora assumindo responsabilidade pessoal, nos termos da lei aplicável.’ (Redação dada pela

Lei Compl. 56, de 15.12.87)

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

A Lista de Serviços (redação da Lei Compl. 56, de 1987), inclui, no item 88, os serviços prestados por advogados.

Abrindo o debate, deixo expresso o meu

entendimento no sentido de que as disposições inscritas

nos §§ 1º e 3º do DL 406/68 não configuram isenção. O art. e seus §§ dispõem a respeito da base de cálculo do ISS, certo que, na forma do estabelecido na Constituição

Federal, art. 146, III, a , cabe à lei complementar

estabelecer normas gerais em matéria de legislação

tributária, especialmente sobre definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos

discriminados na Constituição, a dos respectivos fatos

geradores, bases de cálculo e contribuintes.

Ora, o DL 406/68 foi recebido como lei

complementar, a lei complementar do ICMS e do ISS. Isto é inquestionável. No RE 149.922-SP, Relator o Ministro Ilmar Galvão, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por

unanimidade, que, ‘se a base de cálculo em referência

(examinava-se a base de cálculo do ICMS) já se achava

disciplinada pelo art. , § 8º, do Decreto-lei nº 406/68, recepcionado pela nova carta com o caráter de lei

complementar, até então exibido (art. 34, § 5º, do ADCT), não havia lugar para a nova definição que lhe deu o

Convênio ICM 66/88 (art. 11), verificando-se, no ponto

indicado, ultrapassagem do linde cravado pela norma

transitória e conseqüente invasão do princípio

constitucional da legalidade tributária.’ (Plenário,

23.02.94, RTJ 152/966). Cabendo à lei complementar definir a base de cálculo dos impostos discriminados na

Constituição, (C.F./88, art. 146, III, a ), certo que o DL 406/68 foi recebido como lei complementar, correto

afirmar-se que o art. e seus §§, que cuidam da base de cálculo do ISS, foram, também, recebidos pela Constituição vigente.

Não configurando os citados dispositivos

legais, §§ 1º e 3º, do DL. 406/68, isenção, não há falar em ofensa ao art. 151, III, da CF/88. Aqui, na verdade, incide a regra do § 5º do art. 34, ADCT, porque tem-se a aplicação da legislação anterior à CF/88, porque essa

legislação não é incompatível com o sistema tributário

nacional da CF/88. Ao contrário, os dispositivos legais

citados, o art. e seus §§ seguem a regra do art. 146, III, a , da CF/88.

Supremo Tribunal Federal

RE 361.829 / RJ

(...).”

Não tem aplicação no caso, portanto, a Lei 2.277/94 do

Município do Rio de Janeiro, que fez incidir o ISS sobre serviço não definido na Lei Complementar 56, de 1987.

Do exposto, conheço do recurso e dou-lhe provimento.

ExtratodeAta (1) Supremo Tribunal Federal

SEGUNDA TURMA

EXTRATO DE ATA

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 361.829-6 RIO DE JANEIRO

RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO

RECORRENTE (S) : AÇÃO S/A CORRETORA DE VALORES E

CÂMBIO E OUTRO (A/S)

ADVOGADO (A/S) : EDUARDO FERRÃO E OUTRO (A/S)

RECORRIDO (A/S) : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

ADVOGADO (A/S) : JAQUELINE RIPPER NOGUEIRA DO VALE

CUNTIN PEREZ

Decisão : A Turma, por votação unânime, conheceu e deu

provimento ao recurso extraordinário, nos termos do voto do Relator. Falou , pelo recorrente, o Dr. Sacha Calmon. Ausente,

justificadamente, neste julgamento, o Senhor Ministro Joaquim

Barbosa. 2ª Turma, 13.12.2005.

Presidência do Senhor Ministro Celso de Mello. Presentes à sessão os Senhores Ministros Carlos Velloso, Ellen Gracie, Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa.

Subprocuradora-Geral da República, Dra. Sandra Verônica Cureau.

Carlos Alberto Cantanhede

Coordenador

Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/14735066/recurso-extraordinario-re-361829-rj/inteiro-teor-103120867

Informações relacionadas

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 12 anos

Supremo Tribunal Federal STF - EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 361829 RJ

Jurisprudênciahá 7 anos

Tribunal de Justiça de Pernambuco TJ-PE - Agravo: AGV 001XXXX-69.2001.8.17.0001 PE

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 12 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELACAO: APL 007XXXX-34.2007.8.19.0001 RJ 007XXXX-34.2007.8.19.0001

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 37 anos

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 105477 PE

Supremo Tribunal Federal
Súmulahá 59 anos

Súmula n. 356 do STF