jusbrasil.com.br
28 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal
ano passado

Detalhes da Jurisprudência

Partes

RECTE.(S) : EDNA SALETE RAFAGNIN, RECDO.(A/S) : UNIÃO

Publicação

25/06/2021

Julgamento

23 de Junho de 2021

Relator

ALEXANDRE DE MORAES

Documentos anexos

Inteiro TeorSTF_RE_1329871_a99f3.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 1.329.871 PARANÁ

RELATOR : MIN. ALEXANDRE DE MORAES

RECTE.(S) : EDNA SALETE RAFAGNIN

PROC.(A/S)(ES) : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL

RECDO.(A/S) : UNIÃO

PROC.(A/S)(ES) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

DECISÃO

Trata-se de Recurso Extraordinário interposto em face de acórdão proferido pela 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais do Paraná, o qual manteve sentença de improcedência do pedido de concessão do Auxílio-Emergencial instituído pela Lei 13.982/2020 (Doc. 9).

No apelo extremo (Doc. 12), interposto com amparo no art. 102, III, a, da Constituição Federal, a parte recorrente sustenta ter o acórdão recorrido vulnerado o art. , III (princípio da dignidade da pessoa humana); e o art. , caput (princípio da isonomia), ambos da Carta Magna, ao atestar a constitucionalidade do art. , V, da Lei 13.982/2020, o qual prevê como impedimento para a concessão do auxílio-emergencial a percepção de rendimentos tributáveis no ano de 2018 em montante superior à R$ 28.559,70 (vinte e oito mil, quinhentos e cinquenta e nove reais e setenta centavos.

Aduz, ainda, ausência de violação à tripartição de poderes e de atuação do judiciário como legislador positivo; bem como o preenchimento do requisito da prévia fonte de custeio.

É o relatório. Decido.

Eis os argumentos do acórdão recorrido, para decidir que a recorrente não preencheu os requisitos necessários à concessão do auxílio emergencial (fls. 2-4, Doc. 9):

“Trata-se, na origem, de ação por meio da qual a parte

RE 1329871 / PR

autora pede concessão de auxílio emergencial que lhe foi negado administrativamente pelo (s) seguinte (s) motivo (s): 'Não atendimento ao quesito necessário de ter rendimentos tributáveis menor que R$ 28.559,70 declarados no Imposto de Renda 2018.' (Evento 12, OUT2).

Liminarmente, requer que a ré efetue o pagamento devido de forma imediata, uma vez que o requisito do fumus boni iuris encontra-se caracterizado a partir dos documentos acostados

os autos. Além disso, afirma que a presença do periculum in mora é latente, pois a verba tem caráter alimentar. Sustenta também, em síntese, a inconstitucionalidade do inciso V do artigo 2º da Lei nº 10.938/2020, tendo em vista que a recorrente preenche todos os requisitos legais para concessão do auxílio emergencial, sendo a exigência feita no dispositivo descompassada com a Carta Magna. Por fim, pugna pela procedência do pedido.

É o relatório.

Não lhe assiste razão

Mantenho a sentença por seus próprios fundamentos, nos termos do artigo 46 da Lei nº 9.099/1995, aplicável subsidiariamente aos Juizados Especiais Federais.

Transcrevo trechos elucidativos da decisão:

[…]

Relativamente ao segundo motivo da negativa do auxílio, a Lei n. 13.982/2020 foi publicada em 02/04/2020 e, naquela ocasião, ainda não havia se encerrado o prazo para entrega da Declaração IRPF 2020/ano-calendário 2019 - o qual, em virtude da crise do COVID 19, ocorreu somente em 30/06/2020.

Logo, considerando a necessidade de cruzamento de dados então disponíveis para o deferimento do auxílio emergencial - a ser analisado em curto período de tempo sob pena de deixar de atender à sua finalidade -, referida lei adotou, como critério, os rendimentos tributáveis recebidos em 2018, e não de 2019, já que, naquela ocasião, ainda não era exigida a apresentação da Declaração IRPF para o exercício de 2020.

Nada obstante, em se tratando de análise feita no âmbito

2

RE 1329871 / PR

do Poder Judiciário, deve ser privilegiada a situação econômica atual do suposto beneficiário, conferindo-se interpretação finalística da lei - e não meramente literal, e para tanto necessário o exame conjunto da Declaração do IRPF de 2018 e 2019.

No caso dos autos, ficou demonstrado que, no ano de 2018, a autora recebeu R$ 44.224,42 a título de rendimentos tributáveis (ev12, OUT2), valor superior, portanto, ao limite de R$ 28.559,70 imposto no art. , V, da Lei n. 13.992/2020.

Já no ano de 2019, consoante Declaração IRPF 2020 juntada no evento 12 (out3), recebeu ela rendimentos tributáveis na importância de R$ 37.220,24, ou seja, também acima de R$ 28.559,70 (o Governo Federal manteve o mesmo limite de R$ 28.559,70 para a entrega da DIRPF nos anos de 2020 e 2019).

Assim, em razão de não se enquadrar na previsão do art. da Lei nº 13.982/20, não faz jus a demandante ao pagamento do auxílio emergencial, inexistindo qualquer ilegalidade na negativa administrativa.

[...]

Acrescento apenas que a decisão está em conformidade com o entendimento desta Turma Recursal, conforme ementa transcrita abaixo:

[…]

Tratando o presente de caso análogo, deve ser privilegiada a posição do Colegiado em prol da segurança jurídica e da isonomia, bem como 5043403-33.2020.4.04.7000 700010195338 .V13 para uniformização da jurisprudência a fim de que permaneça estável, íntegra e coerente.

Por fim, ante a manutenção de improcedência do pedido, resta prejudicada a análise do pedido de antecipação de tutela recursal.

Considero prequestionados especificamente todos os dispositivos legais e constitucionais invocados na inicial, contestação e razões de recurso, porquanto a fundamentação ora exarada não viola qualquer dos dispositivos da legislação

3

RE 1329871 / PR

federal ou a Constituição da Republica levantados em tais peças processuais. Desde já fica sinalizado que o manejo de embargos para prequestionamento sujeita à multa, nos termos da legislação de regência da matéria.

Condeno o recorrente vencido (PARTE AUTORA) ao pagamento de honorários advocatícios, que fixo em 10% sobre o valor da causa corrigido, sendo que a obrigação permanecerá suspensa enquanto perdurar o benefício de gratuidade da justiça.

Ante o exposto, voto por NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO.”

Verifica-se, portanto, que a análise da pretensão recursal está situada no contexto normativo infraconstitucional, de forma que as alegadas ofensas à Constituição seriam meramente indiretas (ou mediatas), o que inviabiliza o conhecimento do referido apelo.

Mesmo que fosse possível superar todos esses graves óbices, a argumentação recursal traz versão dos fatos diversa da exposta no acórdão, de modo que o acolhimento do recurso passa necessariamente pela revisão das provas. Incide, portanto, o óbice da Súmula 279 desta CORTE: Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário.

Nesse sentido: ARE 1.315.368, Rel. Min. LUIZ FUX, DJe de 13/5/2021; ARE 1.301.367, Rel. Min. EDSON FACHIN, DJe de 18/3/2021; e RE 1324062, de minha relatoria, DJe de 9/06/2021.

Por fim, esta CORTE, em recente julgamento do ARE 1320407-RG (Tema 1146), reconheceu a inexistência de repercussão geral da questão, por não se tratar de matéria constitucional. Eis a ementa do julgado:

“RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO. PROCESSUAL CIVIL. REQUISITOS PARA CONCESSÃO DO AUXÍLIO-EMERGENCIAL PREVISTO NA LEI 13.982/2020 . JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE.

4

RE 1329871 / PR

OFENSA À INAFASTABILIDADE JURISDICIONAL. CONTROVÉRSIA DE ÍNDOLE INFRACONSTITUCIONAL. OFENSA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL QUE, SE EXISTENTE, SERIA APENAS INDIRETA. NECESSIDADE DE REVOLVIMENTO DO CONJUNTO FÁTICOPROBATÓRIO DOS AUTOS. IMPOSSIBILIDADE. SÚMULA 279 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. AUSÊNCIA DE REPERCUSSÃO GERAL .” ( ARE 1320407-RG, Rel. Min. LUIZ FUX – Presidente, Tribunal Pleno, DJe de 10/6/2021)

Diante do exposto, com base no art. 21, § 1º, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, NEGO SEGUIMENTO AO RECURSO EXTRAORDINÁRIO.

Fixam-se honorários advocatícios adicionais equivalentes a 10% (dez por cento) do valor a esse título arbitrado nas instâncias ordinárias ( Código de Processo Civil de 2015, art. 85, § 11), suspensa a exigibilidade em face da gratuidade da justiça.

Publique-se.

Brasília, 23 de junho de 2021.

Ministro ALEXANDRE DE MORAES

Relator

Documento assinado digitalmente

5

Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1237532186/recurso-extraordinario-re-1329871-pr-5043403-3320204047000/inteiro-teor-1237532189

Informações relacionadas

Karoline Priscila Leandro, Advogado
Modeloshá 2 anos

Modelo de Recurso Extraordinário

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 11 anos

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 579304 MA

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 2 anos

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 791961 PR

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciaano passado

Supremo Tribunal Federal STF - RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE 1330071 PR 504XXXX-90.2020.4.04.7000

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 11 meses

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL 000XXXX-69.2020.8.16.0064 Castro 000XXXX-69.2020.8.16.0064 (Acórdão)