jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Supremo Tribunal Federal
ano passado

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Primeira Turma

Partes

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES, IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA E OUTRO(A/S), COATOR(A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTICA

Publicação

12/02/2021

Julgamento

21 de Dezembro de 2020

Relator

MARCO AURÉLIO

Documentos anexos

Inteiro TeorSTF_HC_154268_7bfdd.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Supremo Tribunal Federal

EmentaeAcórdão

Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA

E OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

HABEAS CORPUS – INSTÂNCIA – SUPRESSÃO. Revelando o habeas corpus parte única – o paciente, personificado pelo impetrante –, o instituto da supressão de instância há de ser tomado, no que visa beneficiá-la, com as cautelas próprias.

INTIMAÇÃO – NULIDADE – AUSÊNCIA. Realizada intimação pessoal para ciência da pronúncia em conformidade com o disposto no artigo 420, inciso I, do Código de Processo Penal, inexiste nulidade.

A C Ó R D Ã O

Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal em indeferir a ordem, nos termos do voto do relator e por unanimidade, em sessão virtual, realizada de 11 a 18 de dezembro de 2020, presidida pela Ministra Rosa Weber, na conformidade da ata do julgamento e das respectivas notas taquigráficas.

Brasília, 7 de janeiro de 2021.

MINISTRO MARCO AURÉLIO – RELATOR

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 2 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA

E OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

R E L A T Ó R I O

O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO – Adoto, como relatório, as informações prestadas pelo assessor Caio Salles:

O Juízo da Vara Única da Comarca de Bodocó/PE, no processo nº 408.2009.000336-7, em 22 de outubro de 2009, pronunciou o paciente ante o crime do artigo 121, § 2º, incisos II e IV (homicídio qualificado, cometido por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima), do Código Penal. Aludindo ao artigo 413, § 3º, do Código de Processo Penal, revogou a prisão preventiva, determinando a expedição de alvará de soltura, cumprido em 23 seguinte.

O Ministério Público do Estado de Pernambuco formulou o pedido de desaforamento nº 0003636-43.2011.8.17.0000. A Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, em 23 de novembro de 2011, deferiu-o, determinando o deslocamento da realização do Júri para a Capital.

Na sequência, o Juízo da Vara Única da Comarca de Bodocó expediu mandado de intimação, visando a ciência do paciente em relação à pronúncia, cumprido em 6 de agosto de 2012.

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 3 de 9

HC 154268 / PE

A defesa, no dia 9 seguinte, interpôs recurso em sentido estrito. O Desembargador Relator inadmitiu-o, observada a intempestividade. Assentou que o paciente teve conhecimento da pronúncia quando do cumprimento do alvará de soltura, ressaltando imprópria a expedição de novo mandado de intimação. Destacando ter sido a defesa técnica intimada da pronúncia em 2 de março de 2010, sublinhou inciado o prazo para formalização do recurso em 3 seguinte, encerrando-se em 8. Com embargos de declaração, não se alcançou êxito. A Segunda Câmara Criminal desproveu agravo interno.

Em 17 de julho de 2014, o Quarto Tribunal do Júri da Capital/PE condenou o paciente considerado o crime do artigo 121, § 2º, incisos II e IV, do Código Penal. O Juízo fixou a pena em 19 anos de reclusão, no regime fechado. A defesa interpôs apelação.

Chegou-se ao Superior Tribunal de Justiça com o habeas corpus nº 298.310. A Sexta Turma inadmitiu-o. De ofício, deferiu ordem, determinando ao Tribunal de Justiça o julgamento do recurso em sentido estrito. Realçou intimado, pessoalmente, o paciente da pronúncia em 6 de agosto de 2012, surgindo tempestivo o recurso da defesa.

Os impetrantes sustentam configurado constrangimento ilegal. Alegam que, ante a decisão do Superior, os atos praticados após a pronúncia devem ser anulados. Frisam configurado cerceamento de defesa. Assinalam apreciado o recurso em sentido estrito pelo mesmo julgador que, anteriormente, concluiu pela intempestividade.

Requerem o reconhecimento da nulidade a partir da pronúncia.

A Procuradoria-Geral da República manifesta-se, preliminarmente, pela inadmissão do habeas corpus, afirmando

2

Supremo Tribunal Federal

Relatório

Inteiro Teor do Acórdão - Página 4 de 9

HC 154268 / PE

não analisada a controvérsia, referente à nulidade, pelo Tribunal de Justiça e Superior Tribunal de Justiça, a implicar supressão de instância. Diz inexistir ilegalidade a ser afastada.

Após o pronunciamento do Superior, a Segunda Câmara Criminal procedeu ao exame do mérito do recurso em sentido estrito, desprovendo-o. Também após a decisão do Superior, a Terceira Câmara Criminal proveu parcialmente apelação da defesa, redimensionando a pena em 14 anos e 3 meses de reclusão, mantido o regime fechado. Recursos especial e extraordinário foram inadmitidos.

No Superior Tribunal de Justiça, o Relator desproveu o agravo nº 1.336.049. A Sexta Turma negou provimento a agravo interno e a embargos declaratórios.

No Supremo, Vossa Excelência desproveu o recurso extraordinário com agravo nº 1.226.593. A Primeira Turma negou provimento a agravo interno e a embargos declaratórios. O título condenatório transitou em julgado em 1º de outubro de 2020.

3

Supremo Tribunal Federal

Voto-MIN.MARCOAURÉLIO

Inteiro Teor do Acórdão - Página 5 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

V O T O

O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO (RELATOR) – Improcede a preliminar suscitada pela Procuradoria-Geral da República. O princípio da vedação de supressão de instância há de ser tomado com reserva em se tratando de impetração. Visa beneficiar a parte, e esta, no habeas corpus, é o paciente, personificado pelo impetrante.

O reconhecimento, pelo Superior Tribunal de Justiça, da tempestividade do recurso em sentido estrito não implica a nulidade dos atos praticados após a pronúncia, uma vez que não se trata, no caso, de ausência de intimação, cuja falta, a teor do artigo 564, inciso III, alínea o, revela vício. Ocorrida em 6 de agosto de 2012, a intimação pessoal para ciência da pronúncia deu-se em conformidade com o disposto no artigo 420, inciso I, do Código de Processo Penal, deixando de haver cerceamento de defesa.

O recurso em sentido estrito formalizado pela defesa, ante a decisão do Superior, foi regularmente apreciado pelo Tribunal de Justiça, inexistindo prejuízo a viabilizar o reconhecimento de nulidade.

O fato de ter sido julgado pelo mesmo julgador que assentou a intempestividade não revela ilegalidade, porquanto a reforma da decisão por instância superior, determinando-se o julgamento do mérito do recurso, não afasta a atribuição.

Indefiro a ordem.

Supremo Tribunal Federal

VotoVogal

Inteiro Teor do Acórdão - Página 6 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA

E OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

VOTO

A Senhora Ministra Rosa Weber: Acompanho o Ministro Relator com ressalva de posicionamento quanto à inadequação da via eleita.

É o voto.

Supremo Tribunal Federal

VotoVogal

Inteiro Teor do Acórdão - Página 7 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA

E OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

VOTO

O SENHOR MINISTRO DIAS TOFFOLI:

Acompanho o Relator com a ressalva inaugurada pela Ministra Rosa Weber .

Supremo Tribunal Federal

VotoVogal

Inteiro Teor do Acórdão - Página 8 de 9

21/12/2020 PRIMEIRA TURMA

HABEAS CORPUS 154.268 PERNAMBUCO

RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA

E OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

V O T O

O SENHOR MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO:

Acompanho a conclusão do relator pelo indeferimento da ordem. Sem prejuízo desse encaminhamento, deixo ressalvada a minha posição quanto à inadequação da via eleita, tendo em vista que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal não admite a impetração de habeas corpus, em substituição à revisão criminal. Vejam-se, nessa linha, o HC 179.479-AgR, Rel. Min. Edson Fachin; e o HC 177.602-AgR, Rel. Min. Alexandre de Moraes.

Supremo Tribunal Federal

ExtratodeAta-21/12/2020

Inteiro Teor do Acórdão - Página 9 de 9

PRIMEIRA TURMA EXTRATO DE ATA

HABEAS CORPUS 154.268

PROCED. : PERNAMBUCO RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

PACTE.(S) : FRANCISCO ROBERTO FARIAS CHAVES

IMPTE.(S) : MARCUS VINICIUS CARVALHO ALVES DE SOUZA (20401/PE) E

OUTRO (A/S)

COATOR (A/S)(ES) : SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Decisão: A Turma, por unanimidade, indeferiu a ordem, nos termos do voto do Relator, com ressalvas dos Ministros Rosa Weber, Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso. Primeira Turma, Sessão Virtual de 11.12.2020 a 18.12.2020.

Composição: Ministros Rosa Weber (Presidente), Marco Aurélio, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Luiz Gustavo Silva Almeida

Secretário da Primeira Turma

Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1166923415/habeas-corpus-hc-154268-pe-0067423-5820181000000/inteiro-teor-1166923425

Informações relacionadas

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 2 anos

Supremo Tribunal Federal STF - EMB.DECL. NO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO: ARE 1226593 PE 0082898-68.2013.8.17.0001

Superior Tribunal de Justiça STJ - EDcl no AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: EDcl no AgRg no AREsp 1336049 PE 2018/0191367-7